Tele-Atendimento:
(62) 3223-3943
E-mail:
contato@simego.org.br
Newsletter
Inscreva-se em nossa newsletter e fique por dentro de nossas novidades.

SIMEGO e Cemeg se reunem com governador Ronaldo Caiado 11/12/2019

Entidades médicas levam pauta de reivindicações ao chefe do poder executivo em Goiás


 O Sindicato dos Médicos no Estado de Goiás (SIMEGO) e as demais entidades que compõem o Comitê das Entidades Médicas do Estado de Goiás (Cemeg), grupo formado pela Academia Goiana de Medicina (AGM), Associação Médica de Goiás (AMG), Conselho Regional de Medicina do Estado de Goiás (Cremego) foram recebidos na tarde desta quarta-feira (11/12) pelo o governador de Goiás, Ronaldo Caiado. A presidente do SIMEGO, Franscine Leão, e o presidente da Regional do SIMEGO em Santa Helena de Goiás, Eduardo Santana, representaram o sindicato no encontro, que ocorreu no Palácio Pedro Ludovico Teixeira, em Goiânia. 

 

A pauta do encontro foi extensa, mas teve como foco, além da reivindicação por melhores condições de trabalho, a busca foi por sensibilizar o governador para questões básicas, relacionadas ao trabalho do médico. O cumprimento e adequações no Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos, com participação do servido médico e das entidades representativas na elaboração das alterações esteve entre os temas do encontro.

 

Além disso, foi levado ao governador a necessidade de adequação da remuneração dos médicos ao piso salarial nacional, sugerido pela Federação Nacional dos Médicos (Fenam), e de realização de concursos públicos para preenchimento de cargos públicos de médico.

 

Vale lembra que recentemente situações ligadas à administração dos hospitais de referência no Estado estiveram presentes no debate público. Como foi o caso do Hospital de Urgências de Goiânia, que vive uma transição na organização social que dirige a unidade. O processo tem levado a desencontro de informações, incertezas sobre a continuidade de contratos de trabalho e insegurança jurídica na relação entre médico e administração pública, com a pretensão de transferência dos efetivos para outras unidades.

 

No Hospital  Estadual de Doenças Tropicais Dr. Anuar Auad, os médicos relataram intercorrências como assédio moral, redução do quadro de pessoal, sobrecarga de trabalho, entre outras demandas. "Levamos ao governador, questões relacionadas à gestão do HDT, entre vários pontos abordados na reunião desta tarde", destacou Franscine Leão.

Compartilhe isso: