Tele-Atendimento:
(62) 99631-6753
E-mail:
contato@simego.org.br
Newsletter
Inscreva-se em nossa newsletter e fique por dentro de nossas novidades.

SIMEGO realizou uma live para debater medidas de combate às agressões contra médicos 01/02/2022

Na segunda-feira (31), o SIMEGO realizou uma live sobre os resultados obtidos, até o momento, com a luta do Sindicato para garantir a segurança dos médicos, visto que, nos últimos dias, diversos casos de agressões contra os profissionais foram noticiados.

 

A apresentação foi feita pela presidente, Franscine Leão, e pelo Secretário de Formação Sindical e Sindicalização Adjunto do SIMEGO, Peterson Saylon.

 

Peterson acompanhou a reunião realizada com a Guarda Civil Metropolitana (GCM) e Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia, além da Polícia Militar do Estado de Goiás, no dia 24 de janeiro. Ele comentou sobre a subnotificação das agressões, pois, de acordo com os dados da GCM, apenas 81 casos foram registrados entre 2016 e 2021.

 

“Essa subnotificação é o resultado da sensação do médico de que a denúncia não resolverá nada”, relatou ele que acrescentou que, durante a reunião, também foram debatidas novas estratégias para facilitar as denúncias. Uma sugestão dada foi a possibilidade dos médicos registrarem a ocorrência (nas situações de violências verbais) na própria instituição de saúde, sem a necessidade de deslocamento.

 

Para Franscine, que acompanhou a 4º Câmara Técnica "Monitoramento e Segurança", da Prefeitura de Goiânia, no dia 27 de janeiro, uma das questões críticas é a classificação dos pacientes nas unidades de saúde. Isso porque não há o entendimento da população acerca do tempo de espera para cada quadro clínico e, assim, as pessoas que podem esperar mais - da categoria verde - tendem a iniciar as violências.

 

Uma medida divulgada na Câmara Técnica foi as instalações de botões do pânico, com o objetivo de reduzir o tempo de acionamento da Guarda Municipal na unidade de saúde e a consequente notificação na central, quando houver um profissional sendo agredido.

 

Contudo, Franscine lembrou que a união dos médicos quanto categoria e as notificações de situações de violência são essenciais. “O Sindicato está se colocando à disposição para garantir a segurança física e moral dos profissionais médicos, que estão salvando vidas”, afirmou.

 

A live permanece gravada no Instagram do SIMEGO. Confira na íntegra: bit.ly/344pIyk

 

Compartilhe isso: