Tele-Atendimento:
(62) 99631-6753
E-mail:
contato@simego.org.br
Newsletter
Inscreva-se em nossa newsletter e fique por dentro de nossas novidades.

SIMEGO realizou live para solucionar as dúvidas dos médicos residentes acerca da ação protocolada pelo direito à bolsa-moradia 08/02/2022

Na noite da última segunda-feira (7), o SIMEGO realizou uma live para apresentar as novidades acerca da ação protocolada para garantir indenização no valor de 30% da bolsa auxílio-moradia para médicos residentes.

 

Participaram da conversa a presidente do Sindicato, Franscine Leão, e os advogados do escritório que, junto com o SIMEGO, abriu a ação: Anna Dantas e Adriano Dantas.

 

Adriano iniciou a live explicando que os médicos residentes não possuem direitos como férias e FGTS. Contudo, devem receber o auxílio-moradia (seja ele em natura ou em dinheiro), alimentação e local digno para seus plantões.

 

Todavia, os hospitais goianos não estão cumprindo com esse direito da moradia. Por isso, estão em trâmites ações contra cerca de nove instituições de saúde contempladas pela Secretaria de Estado da Saúde de Goiás. “Existe uma jurisprudência muito positiva sobre o assunto, de modo que estamos bastante confiantes no êxito dessa ação. Esperamos que dentro de um ano já tenhamos um resultado palpável para os residentes”, esclareceu o advogado.

 

Anna Dantas lembrou que quem deseja aderir à ação precisa encaminhar o contracheque ao SIMEGO. Além disso, ressaltou que o ônus financeiro está por conta do Sindicato. “A grande vantagem do processo pelo SIMEGO é não ter os custos. Porém, se você tem interesse em agir contra o seu hospital, nos ajude enviando o seu contracheque”.

 

Para participar, também é necessário preencher o contrato e a procuração disponibilizadas pelo Sindicato. Outro requisito é se sindicalizar. “As pessoas que aderirem à ação agora, antes dela transitar em julgado, pagarão 20% do valor recebido com os honorários. Caso a adesão seja feita após o trânsito em julgado, pagarão 30% do valor recebido”, acrescentou Anna.

 

A presidente do SIMEGO, Franscine Leão, mencionou ainda os benefícios de ações coletivas. Um deles é o menor risco de retaliações. “Muitos médicos têm medo de ações judiciais pelo receio de ficarem ‘marcados’. Como o Sindicato abarca vários médicos, ninguém sofre com isso. Queremos fazer um ‘guarda-chuva’ de proteção contra hostilizações”, relatou.

 

A live completa permanece gravada no Instagram do SIMEGO.

 

Confira: @simego_oficial

 

Compartilhe isso: